Reflexão: Festa de Santo Antônio –13/06/2019

11 de Junho de 2019

Reflexão: Festa de Santo Antônio –13/06/2019

Santo Antônio de Pádua e Lisboa - “Os justos viverão para sempre.”

Santo Antônio nasceu em Lisboa, em 1195, e morreu nas vizinhanças de Pádua, em 1231, daí o chamar-se Antônio de Lisboa ou Antônio de Pádua. Foi canonizado em Pentecostes de 1232, apenas um ano após a morte, apoiado por uma grande popularidade. Devido ao seu itinerário intelectual e espiritual, o Papa Pio XII, em 1946, proclamou Antônio como Doutor da Igreja, atribuindo-lhe o título de “Doutor Evangélico”.

Fernando de Bulhões y Taveira de Azevedo passa a se chamar Fr. Antônio – ‘Os Santos são marcados por Deus e mudam a identidade’.


Características que chamam a atenção em Santo Antônio


1ª) Zelo pela Ordem (Franciscano) – Paixão por Jesus

- Trabalha de cozinheiro, vive a humildade;

- Toma uma decisão definitiva de doação de seu ser (não de algo externo), deixa sua cidade e família.


2ª) Reforma da Igreja

- Prega a paz entre as cidades frente à imigração dos povos ‘bárbaros e invasores’;

- Defesa dos pobres: batalha pelo pão material (dignidade no corpo, para salvar a alma, livrava as moças pobres e prostitutas da marginalidade e lhes conseguia bons casamentos);

- Oferece o Pão da Palavra e o Pão da Eucaristia – educa o espírito.


3ª) Combate as heresias – proclama as verdades de fé com convicção.


4ª Vai em Missão; Marrocos, Itália e outros lugares. Dá a vida por Cristo.


5ª) Pregador da Palavra

- Adaptou a catequese de forma simples;

- Restabeleceu a fé do povo (não só popular);

- Cheio de unção e sabedoria;

- Ofereceu princípios sólidos em meio a seitas e relativismo das verdades reveladas.


6ª) Menino Jesus ao colo, Evangelho e lírio

- Ternura cativante, amigo, protetor, união com Deus, simples, humilde, revelou Deus aos pequenos;

- Fé e espiritualidade bíblica;

- Autenticidade e amor.


Nossa Santidade e Responsabilidade (responsório)

- Além da devoção, fixar-se em Cristo;

- Santos têm limites e falhas, mas só os grandes as reconhecem e voltam atrás, tomam a iniciativa e são capazes de perdoar;

- Os Santos deixam um saldo de virtudes e méritos (Comunhão dos Santos).

Podemos venerar os Santos: respeito, afeição, mas devemos adorar a Deus: reverência, prostrar-se, prestar culto.

Os santos e justos viverão para sempre, Jesus os proclama ‘Felizes’, herdeiros do Reino de Deus.


Quanto à identidade dos santos: quem são, o que eles fazem, como agem?

Em primeiro lugar, eles contam com a graça de Deus: não adiantaria termos uma inteligência excelente, uma perfeita organização pastoral, empenharmos todos os nossos esforços e recursos possíveis, se não contássemos com a ajuda e a graça de Deus: “Se Deus não construir a nossa casa, em vão trabalham os operários” (Sl 126). A bíblia nos dá essa conscientização. O Documento de Aparecida (246ss), quando fala da formação dos discípulos missionários, afirma que a Sagrada Escritura ocupa um lugar de destaque na construção de um mundo melhor possível a favor do ser humano, como já dizia o Papa Paulo VI: “O homem poderá construir um mundo sem Deus, mas, sem Deus, construirá contra o próprio homem (PP, 42). Um mundo melhor possível será sempre obra do próprio Deus que age na vida de seus filhos e filhas.

Outras características dos Santos:

- São lugares da manifestação de Deus (Templos vivos – Ex: pedagogia no templo, onde se aprendem os caminhos da salvação: Abraão, Moisés, Elias, Samuel... “Casa e escola de comunhão”);

- Revestidos da vida divina;

- Não seguiram modismos, o que é constante é a fidelidade;

- Fiéis a Deus (os da terra e os do céu), deram o melhor de si;

- Praticam o bem, sem chamar a atenção;

- Somos todos iguais quanto ao pecado, só os fortes na fé sabem reconhecê-lo e perdoar (Santos), os fracos na fé têm dificuldades;

- Comunicam mensagens de esperança diante das dificuldades e perseguições;

- Não fizeram obras extraordinárias, carismas excepcionais, antes, ouviram Jesus e o seguiram sem desanimar diante das dificuldades;

- Comunicam a vitória de Cristo: “Quem vai nos separar do amor de Cristo?”;

- Têm momentos de êxtase, mas a santificação é pela encarnação – passos de Jesus, sintonia com a vida e a realidade;

- Os que amam a Deus viverão para sempre;

Olhando para os que nos precederam, santos e mártires, a Comunidade é convidada a se questionar sobre seu caminho de santidade.

Não devemos esquecer que a melhor maneira de nos relacionarmos com um Santo não é somente invocá-lo em nossas necessidades, e sim imitá-lo na prática generosa da virtude e do cumprimento fiel de todos os deveres.

Boa reflexão e que possamos produzir muitos frutos para o Reino de Deus.


Pe. Leomar Antonio Montagna

Arquidiocese de Maringá