Quarenta dias no caminho da Esperança


Data da Postagem: 06 de Março de 2017

Na Quarta-feira de cinzas, falando à multidão na praça São Pedro no Vaticano, o papa Francisco fez um forte chamado para viver esse tempo quaresmal como preparação para a Páscoa. “A Quaresma foi instituída na Igreja como tempo de preparação para a Páscoa, e portanto todo o sentido deste período de quarenta dias tem no mistério pascal a sua fonte de luz e  ao qual está orientado. Podemos imaginar o Senhor Ressuscitado que nos chama a sair das nossas trevas e caminharmos em direcção à Ele, que é a Luz. A Quaresma é um período de penitência, também de mortificação, mas não um fim em si mesmo; é um fim finalizado a fazer-nos ressuscitar com Cristo, a renovar a nossa identidade batismal, isto é, a renascer novamente “do alto”, do amor de Deus. Eis porque a Quaresma é por sua natureza, tempo de esperança.

Nós no Brasil temos ao mesmo tempo quaresmal a Campanha da Fraternidade. Esse ano completa 53 anos tratando de vários temas, voltados para dentro da Igreja como para a vida da sociedade civil. Este ano a campanha tem  como tema “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida” e o lema “Cultivar e guardar a criação” (Gn 2,15). Conforme o Santo Padre, em sua mensagem para o povo brasileiro, diz: “Essa Campanha convida a contemplar, admirar, agradecer e respeitar a diversidade natural que se manifesta nos diversos biomas do Brasil – um verdadeiro dom de Deus - através da promoção de relações respeitosas com a vida e a cultura dos povos que neles vivem”.  De acordo com o papa Francisco, “este é, precisamente, um dos maiores desafios em todas as partes da terra, até porque as degradações do ambiente são sempre acompanhadas pelas injustiças sociais”.

O papa Francisco ainda faz um grande elogio e um puxão de orelha: “O criador foi pródigo com o Brasil. Concedeu-lhe uma diversidade de biomas que lhe confere extraordinária beleza. Mas, infelizmente, os sinais da agressão à criação e da degradação da natureza também estão presentes. Entre vocês, a Igreja tem sido uma voz profética no respeito e no cuidado com o meio ambiente e com os pobres. Não apenas tem chamado a atenção para os desafios e problemas ecológicos, como tem apontado suas causas e, principalmente, tem apontado caminhos para a sua superação. Entre tantas iniciativas e ações, me apraz recordar que já em 1979, a Campanha da Fraternidade que teve por tema ‘Por um mundo mais humano’ assumiu o lema: ‘Preserve o que é de todos’. Assim, já naquele ano a CNBB apresentava à sociedade brasileira sua preocupação com as questões ambientais e com o comportamento humano com relação aos dons da criação. ”

Todos os anos, a Campanha da Fraternidade acontece no tempo forte da Quaresma. Trata-se de um convite a viver com mais consciência e determinação a espiritualidade pascal. A comunhão na Páscoa de Jesus Cristo é capaz de suscitar a conversão permanente e integral, que é, ao mesmo tempo, pessoal, comunitária, social e ecológica.

É preciso por a mão na consciência  e os pés no chão sagrado da criação e cuidar como se cuida de um recém-nascido. Só assim vamos ter vida saudável e preservar uma vida digna para as gerações futuras.  Vamos orar mais, jejuar mais, amar mais, partilhar mais, e tudo será diferente.


Dom Anuar Battisti