Fica conosco Senhor


Data da Postagem: 19 de Junho de 2017

Diante de nosso caminho de cada dia, vamos encontrando alegrias, sucessos, gosto de viver. Nos invadem sentimentos positivos de realização pessoal, que confirmam que vale a pena viver. No caminho também vamos nos deparando com dificuldades, problemas, frustações, tristezas, sentimentos negativos que levam a olhar o chão da terra, sem perspectivas, e muitas vezes caímos na tentação de dizer que não vale a pena viver. Vejo que são duas situações não separadas, mas que se conjugam na medida em que caminhamos. Tem situações que não nos oferecem outra saída, a não ser assumir a cruz e continuar o caminho, pois não fomos feitos só para o sucesso, ou só para o fracasso. Enquanto seres humanos,  pertencemos à esfera do limite, do transitório, porém, somos, marcados com o selo da filiação divina cujo  fim é a contemplação do rosto de Deus.

Vejo que nos tempos atuais nos transformamos em absolutos, autônomos, independentes de tudo e todos, como seres que não precisamos uns dos outros para ser feliz, e muito menos do totalmente outro, Deus.

Lembro os discípulos de Emaús, que caminhavam perdidos, desiludidos, sem esperança. Não se dão conta de que o Senhor caminhava com eles e explicava as escrituras, para que deixassem a tristeza e olhassem o mundo com olhos novos, iluminados pela presença do Senhor e pudessem ser testemunhas de vida que não passa. “Enquanto conversavam e discutiam, o próprio Jesus se aproximou e começou a caminhar com eles. Os discípulos, porém, estavam como que cegos, e não o reconheceram” (Lucas 24, 15-16).

O papa Francisco comentando esse episódio do evangelho diz: “Às vezes, encontramo-nos na mesma situação. A Palavra de Deus já nos falou da vida, da ressurreição, o que acontece com os discípulos de Jesus, que passamos por tristezas, tribulações, mas que o Senhor que vem em nosso socorro. Contou-nos o acontecerá depois da morte, que Ele nos trouxe a ressurreição. Mas caminhamos, muitas vezes, na dúvida, na incerteza, na desconfiança, na insegurança, na tristeza da caminhada da estrada.

Então, é como se os nossos olhos estivessem vedados, cegos. Este, talvez, seja o grande obstáculo do discípulo de Cristo para viver como o Mestre. Nossos olhos precisam ser iluminados pela presença de Cristo! Jesus começa a caminhar no meio deles, a conversar, mas não O reconhecem. Jesus caminha conosco, está no meio de nós, fala conosco nos acontecimentos da vida, em nossas orações, ao partir do pão, nas Sagradas Escrituras, pela natureza que contemplamos, onde podemos ver a Sua presença entre nós. Em tantas situações nos reunimos em nome do Senhor, e Ele está entre nós e não conseguimos perceber a Sua presença”.

O papa continua dizendo: “Reconheceremos o Ressuscitado quando deixarmos nosso coração arder pela Palavra de Deus. Quando nos abrimos para ouvir e meditar a Palavra de Deus, ela age em nosso coração. Quando deixamos o Senhor falar pela Palavra, quando extraímos dela o que Deus fala ao nosso coração, quando nos aproximamos da Eucaristia, alimentados pela Palavra de Deus, porque às vezes as pessoas querem apenas comungar mas não se alimentam dela, não deixam o coração arder por ela. Corremos o risco de comungar o pão sem nos encontrarmos com o Senhor Vivo e Ressuscitado. Não que o Senhor não esteja, porque Ele estará sempre presente no pão e no vinho consagrado”. Neste caminho quero continuar caminhando, pois nada pode me abalar. Fica conosco Senhor, pois já é tarde!

 

Dom Anuar Battisti