Vocação é chamado e resposta


Data da Postagem: 07 de Agosto de 2017

Há muitos anos a Igreja católica no Brasil batizou o mês de agosto como mês vocacional. Para isso destinou uma semana para refletir sobre as grandes vocações, os grandes chamados, para a vida. A primeira semana é dedicada ao chamado sacerdotal, pois dia quatro celebramos São João Maria Vianey, patrono dos párocos.

Na segunda semana recordamos as famílias, por seur também o domingo dos pais. A terceira semana dedicada aos religiosas e religiosas, e a quarta semana destinamos para refletir sobre os leigos e leigas, cristãos comprometidos com a missão de evangelizar; de maneira especial aos centenas e milhares de catequistas.

Este ano a comissão organizadora escolheu como lema: “Eis-me aqui, faça-se”, do evangelho segundo Lucas, quando Maria dá o seu Sim à vocação, ao chamado para ser mãe do Salvador. Essa resposta  generosa, mesmo não entendendo o que estava acontecendo, se tronou um marco referencial para todos os outros chamados a uma missão. Ninguém é chamado para nada, e nem sempre a resposta é decisiva e rápida, porque aceitar uma missão não significa saber de ante mão o que vai acontecer, e se o objetivo será alcançado. Por isso que sempre vai exigir uma resposta como um passo no escuro, confiando totalmente Naquele que chama. Portanto, toda vocação exige sair de si mesmo, é um êxodo, abandonando tudo, como Abraão. Moisés, Maria, os Apóstolos, são exemplos... de deixar tudo para centralizar a vida, a própria existência no Reino de Deus.

Neste caminho de aceitar o chamado para a vida religiosa e consagrada, para formar uma família, para ser um agente transformador da comunidade, não pode haver medo, pois Deus nunca nos abandona. Ele, chama, Ele dá as condições, Ele acompanha cada passo, Ele é o dono da messe; todos os outros são operários. 

O papa Francisco na sua mensagem para o dia Mundial de oração pelos vocações, convida a todos a colocar-se  à escuta da voz de Cristo, a ouvirem e seguirem Jesus, deixando-se transformar pelas Suas palavras.

Nenhuma vocação nasce por si, nem vive para si. A vocação brota do coração de Deus e germina na terra boa do povo fiel, na experiência do amor fraterno.

Para seguir Jesus é preciso ir contra a corrente, enfrentar obstáculos, superar dificuldades, e jamais desanimar. Por isso que a verdadeira alegria de quem é chamado é ter a certeza de que Deus é fiel, e com Ele caminhar, sendo discípulo e testemunho do Seu amor, abrindo o coração para grandes ideais.

Nunca se contentar com o pouco ou limitar-se como se estivesse para cumprir tabela. Ninguém quer passar por este mundo apenas cumprindo ordens ou fazendo de conta. Somos chamados para ser discípulos de Jesus deixando monumentos de testemunhos, bibliotecas de exemplos, livros de boas obras, corações marcados pelo carinho, pelo sorriso de quem entregou a vida, transformando vidas. Eis-me aqui, Senhor! Envia-me! O Chamado é Teu, Senhor, a missão é nossa, Você e eu.


Dom Anuar Battisti