Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor


Data da Postagem: 25 de Março de 2018

Com a entrada de Jesus em Jerusalém, acompanhado pelo povo, com ramos e cânticos de louvor e aclamação, Jesus inicia seu caminho para a Paixão, morte e ressureição. Na aceitação plena da vontade de Deus, pois o Filho assume, por amor, entregar sua vida para que todos nós tivéssemos a vida.

É um mistério tão grande que nossa mente não é capaz de entender, a não ser entrando no mesmo mistério de amor uns pelos outros. Amar como Deus nos ama, amor sem medida, sem limites. Isso é incompreensível para que não sabe amar.

Nós cristão católicos temos a partir deste domingo, três momentos celebrativos que marcam esse caminho de Jesus e nos leva a reviver na fé e nos comprometer em um permanente processo de Páscoa.

Chamamos de Tríduo Pascal, que tem seu início na Quinta-feira Santa em dois momentos muito fortes. Pela manhã de quinta-feira na Catedral, todos os sacerdotes ao redor do arcebispo, renovam as promessas sacerdotais e acompanham a consagração dos óleos dos enfermos, dos catecúmenos e do batismo. Isso para recordar a instituição da Eucaristia e do Sacerdócio, pois não existe Eucaristia sem Sacerdócio e não existe Sacerdócio sem Eucaristia.

À noite, a grande Ceia do Senhor com o gesto do lava pés. Jesus fica conosco sob as espécies de pão e vinho, que só terão sentido quando a aproximação da mesa, venha fortalecida pelo serviço desinteressado aos irmãos. Não pode participar da mesa quem não comunga a vida do irmão na caridade.

O segundo momento é a celebração da Paixão, na Sexta-feira Santa, às 15h, momento da entrega da vida, sem explicação, a não ser por amor solidário à humanidade, a fim de todo nós reencontrássemos o Caminho da salvação definitiva.

É um momento do grande silêncio, de contemplação e gratidão. Ninguém precisa chorar ou lamentar, e sim agradecer, reconhecendo o amor apaixonado de Deus por todo nós.

O silêncio de Sexta-feira Santa só será quebrado na noite de sábado, na Vigília Pascal. Marcada pela celebração do fogo novo, da nova luz, da água purificadora do batismo, da recordação de todo o Plano redentor de Deus através dos textos bíblicos. Portanto estamos ainda na vigília. Vigilantes e atentos para cantar na madrugada do terceiro dia, o “Aleluia”, diante da notícia, trazida pelas mulheres: “O Túmulo está vazio, Ele não está aqui”. Essa deve ser a manchete principal para o domingo de Páscoa.

O Domingo de Ramos também é marcado pela Jornada Diocesana da Juventude, em preparação à Jornada Internacional no Panamá, em Janeiro 2019. O lema de reflexão escolhido pelo Papa Francisco é: Maria, não temas, pois achaste graça diante de Deus (Lc 1, 30). “Como já sabeis, para nos acompanhar ao longo deste itinerário, escolhemos o exemplo e a intercessão de Maria, a jovem de Nazaré, que Deus escolheu como Mãe do seu Filho. Ela caminha conosco rumo ao Sínodo e à JMJ do PanamáQuando nos abrimos à graça de Deus, o impossível torna-se realidade. ‘Se Deus está por nós, quem pode estar contra nós?’ (Rm 8, 31). A graça de Deus toca o hoje da vossa vida, ‘agarra-vos’ assim como sois, com todos os vossos medos e limites, mas revela também os planos maravilhosos do Senhor! Vós, jovens, precisais de sentir que alguém tem verdadeiramente confiança em vós: sabei que o Papa confia em vós, que a Igreja confia em vós! E vós, confiai na Igreja!

À jovem Maria foi confiada uma tarefa importante, precisamente porque era jovem. Vós, jovens, tendes força, atravessais uma fase da vida em que certamente não faltam as energias. Usai essa força e essas energias para melhorar o mundo, começando pelas realidades mais próximas de vós. Desejo que, na Igreja, vos sejam confiadas responsabilidades importantes, que se tenha a coragem de vos deixar espaço; e vós, preparai-vos para assumir estas responsabilidades”, diz o Papa.

Hoje à tarde na comunidade paroquial de Mandaguaçu, será a grande celebração da juventude, em sintonia com o Papa Francisco na caminhada para a JMJ de 20119. Uma abençoada Semana Santa!

 

Dom Anuar Battisti