Cansados do barulho


Data da Postagem: 25 de Fevereiro de 2016

Vivemos tempos em que a doença chamada estresse toma conta da vida de qualquer um. Ninguém esta isento de preocupações, de problemas a serem resolvidos ontem, de querer superar todos os limites humanos.

A síndrome do medo, do tempo acelerado, já não há nervos que aguentam. Nossos olhos presenciam imagens de guerra, terror, morte, de mães que não aguentam mais os filhos, sufocam, põe num saco de lixo joga no rio; pessoas que já não aguentam o ronco do marido ou da mulher; não suportam o barulho do vizinho no andar de cima; presenciamos brigas e mortes no trânsito por motivos fúteis…

Enfim, nossos ouvidos são agredidos por barulhos insuportáveis, causando doenças incuráveis. Algo está errado!

O ser humano deste milênio esqueceu-se da força tranquilizante e renovadora da vida: o silêncio. Ter tempo para “entrar na própria casa”, a casa interior, ter o silêncio  como amigo e fazer o diagnóstico da situação, recobrando o equilíbrio emocional, respirando a tranquilidade de quem é limitado, humano, sensível, digno de vida digna.

Ninguém merece viver sem se encontrar consigo mesmo, com suas energias e fraquezas. A consciência dos limites me remete a estar diante do fazer só o possível, dentro do possível. O calar o barulho que vem de todos os lados, me faz ver o mundo com olhos novos, vivendo o momento presente como o único possível, recomeçando sempre.

Vivemos tempos em que precisamos aprender a falar menos, e escutar mais, principalmente o que nosso coração quer dizer e que, muitas vezes, nossa consciência e nossos ouvidos não querem ouvir.

O silêncio fala a verdade que está sufocada. Ouvir significa assumir de frente sem fuga ou desculpas. Isso dói, machuca, sangra. Melhor é refugiar-se no barulho do ativismo sem tréguas.

Um grande sábio contemplativo diz: “Se a palavra que você está para pronunciar não é mais bela do que o silêncio, não diga”.

O salmo 138 nos adverte de que ainda a palavra não chegou à nossa garganta e o Senhor já conhece toda. Não só Deus conhece nossa palavra  antes de ser pronunciada, mas também devemos reconhecer as palavras que vamos dizer e os efeitos que vão produzir naqueles que vão ouvir.

“Levantou-se uma grande tempestade que lançava as ondas dentro barco, de sorte que ele já se enchia. Jesus estava na popa, deitado num travesseiro. Eles acordaram Jesus e disseram: ‘Mestre não te importa que vamos morrer’! E Jesus disse: ‘Silêncio! Calma!’ E se fez uma grande calmaria”(Mc 4, 37,38).

 

No barco da vida as ondas podem encher o barco e naufragar. Diante das ondas  barulhentas da tecnologia, fantástica e atraente; diante da propaganda ensurdecedora, oferecendo felicidade no uso de grifes; diante das festas sem hora de começar e terminar; diante do desequilibro afetivo, no uso e abuso do prazer pelo prazer; diante de tantos outros barulhos, é preciso gritar: “Mestre não te importa que vamos morrer! ”

Sim é preciso gritar por socorro, mas, o mais importante é você mesmo gritar dentro de você: “Silêncio, Calma!” Repita esse grito todos os dias, em silêncio, várias vezes, dentro do teu coração, antes de começar as tuas atividades, e verás com tudo será melhor. Uma abençoada semana pra você e os seus familiares.

 

Dom Anuar Battisti é Arcebispo de Maringá-PR