Papa Francisco nomeia bispo para Paranavaí, província de Maringá


Data da Postagem: 25 de Abril de 2018

A Nunciatura Apostólica no Brasil comunicou na manhã desta quarta-feira, 25, a decisão do papa Francisco em nomear para a vacante diocese de Paranavaí, no Estado do Paraná, padre Mário Spaki, atualmente secretário-executivo do regional sul 2 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). A diocese estava vacante desde a saída de dom Geremias Steinmetz, que assumiu a arquidiocese de Londrina, no Paraná (PR), em agosto do ano passado. Paranavaí faz parte da Província Eclesiástica de Maringá. 

Mário Spaki

Natural de Irati (PR), padre Mário Spaki cursou Teologia pela Faculdade Gregoriana de Roma e Filosofia no Instituto de Filosofia e Teologia Mater Ecclesiae (IFITIME), da diocese de Ponta Grossa. Foi ordenado presbítero em 2003, na Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Irati (PR), por dom João Braz de Aviz. Entre suas atividades pastorais destacam-se a função de presidente da Comissão Regional dos Presbíteros do Paraná; secretário da Comissão Nacional dos Presbíteros do Brasil; reitor do Seminário São José e secretário-executivo do regional Sul 2 da CNBB.

Confira, abaixo, a saudação da CNBB ao novo membro do episcopado:

 

Saudação da CNBB ao P. Mario Spaki

Brasília, 25 de abril de 2018

Prezado P. Mario Spaki.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) acolhe, com alegria, sua nomeação como bispo da Diocese de Paranavaí (PR), anunciada hoje, 25 de abril, pelo Papa Francisco. E renovamos nossa gratidão pelo apreço do Santo Padre manifestado na solicitude de enviar pastores para nossas Igrejas Particulares.

Observando seu itinerário de formação e de serviços prestados à Igreja no campo da pastoral, da formação do clero, da promoção da missionariedade na Igreja, do aconselhamento e da comunicação social encontramos um perfil de um bispo que muito vai poder oferecer na missão que lhe foi confiada.

Saudamos sua nomeação com as palavras que o Papa Francisco dirigiu aos membros da Congregação para os Bispos, em fevereiro de 2014, sobre o perfil episcopal: “’Ele confia os Pastores da Igreja à Palavra da graça que tem o poder de edificar e de conceder a herança’. Portanto, não donos da Palavra, mas entregues a ela, servos da Palavra. Só assim é possível edificar e obter a herança dos santos. A quantos se atormentam com a pergunta sobre a própria herança — ‘qual é a herança de um Bispo? O ouro ou a prata? — Paulo responde: a santidade. A Igreja permanece quando se dilata a santidade de Deus nos seus membros. Quando do íntimo do seu coração, que é a Santíssima Trindade, esta santidade brota e alcança todo o Corpo. Há necessidade de que a unção do alto escorra até à orla do manto. O Bispo nunca poderá renunciar ao anseio de que o óleo do Espírito de santidade chegue até à última orla da veste da sua Igreja”.

Renovamos o compromisso de união fraterna com o senhor e fazemos nossas preces para que seu trabalho seja fecundo.

Em Cristo,

Dom Leonardo Ulrich Steiner

Bispo Auxiliar de Brasília

Secretário-Geral da CNBB