Aos 78 anos, morre padre Oriovaldo Robles


Data da Postagem: 21 de Janeiro de 2019

A Arquidiocese de Maringá, com pesar, comunica o falecimento do padre Orivaldo Robles (78). Ele era vigário da Catedral Basílica Menor Nossa Senhora da Glória. O corpo do padre Orivaldo foi encontrado na casa paroquial na manhã desta segunda-feira, 21. Segundo laudo médio, a morte teria ocorrido por volta das 6h30. Ele foi vítima de enfisema pulmonar.

Há vários anos o presbítero estava com a saúde debilitada, realizando tratamento médico por problemas pulmonares.

O Arcebispo de Maringá, Dom Anuar Battisti, gravou um vídeo agradecendo à história do padre Orivaldo. Veja aqui https://bit.ly/2Mksv9i

Dom Anuar faz um pedido à população. "Ao invés de coroas de flores, quem quiser prestar homenagem ao padre Orivaldo, por favor solicitamos que façam doações na secretaria da Catedral, em prol do Albergue Santa Luiza Marillac". 

 

Missa de corpo presente

Nesta segunda-feira serão celebradas missas na Catedral de Maringá às 18h30 e 21h. A igreja ficará aberta durante a noite toda.

Terça-feira, 22, missas de corpo presente às 7h, 9h, 12h e 15h. Após a Santa Missa das 15h o corpo será levado ao Cemitério Rainha da Paz, onde será sepultado.

O Cemitério Rainha da Paz fica na rua Distrito Federal, 1089.



Biografia do padre Orvialdo Robles.


Nascido Polôni (SP), em 06 de maio de 1941.

Cursou Filosofia no Seminário Rainha dos Apóstolos, em Curitiba (PR), graduando-se na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, de Mogi das Cruzes SP), com diploma reconhecido pela USP, São Paulo.

Graduou-se em Teologia no Studium Theologicum de Curitiba, afiliado à Pontifícia Universidade Lateranense, de Roma.

Lecionou no Colégio Estadual Dr. Gastão Vidigal, e no Instituto de Educação, em Maringá (PR) (1967-1969). Lecionou ainda no Colégio Estadual e na Escola Normal de Paranacity (PR) (1970-1972).    

Participou, em Bogotá (Colômbia), do IV, e em Toluca (México), do V Curso para Formadores do DEVYM – Departamento de Vocaciones y Ministerios, do CELAM – Conselho Episcopal Latino-americano.  

Por mais de trinta anos, foi palestrante convidado a discorrer, em colégios ou outros núcleos humanos, sobre temas ligados à cidadania, formação pessoal e sobre ética pessoal ou pública.

Por ocasião do cinquentenário da Diocese de Maringá, em 2007, publicou o livro “A Igreja que Brotou da Mata – Os 50 anos da Diocese de Maringá”, com 352 páginas (Dental Press Editora – Maringá), sobre a presença da Igreja Católica na região de Maringá. Em 2012 teve publicado o livro “Celeiro Desprovido”, com 270 páginas (Editora Liceu Ltda. – Maringá), contendo 118 crônicas e artigos escritos desde 1995. Em 2017, foi publicado o livro dos 60 anos da Diocese de Maringá, também de sua autoria. 

Foi articulista mensal ou semanal, por mais de quinze anos, de jornais editados em Maringá, além de ter matérias reproduzidas em revistas ou blogs da região.



Dom Murilo Krieger: "Maringá perde um de seus soldados da primeira hora"

Prezado Dom Anuar,


Soube, há pouco, do falecimento de Mons. Orivaldo. Mil lembranças vieram à minha mente - especialmente lembranças do tempo em que fui Arcebispo da Arquidiocese de Maringá e tive na pessoa dele um grande colaborador. Ficamos amigos. Depois que deixei esta Arquidiocese, encontrei-me com ele inúmeras vezes. Parecia que nossas conversas não tinham sido interrompidas; que eram apenas entremeadas por suas gostosas gargalhadas.

Admirava seu amor à Igreja e o entusiasmo com que falava da Arquidiocese de Maringá. Acompanhei o sofrimento que enfrentou nos últimos anos de sua vida e sua capacidade de lutar com todas as forças e meios para superá-lo.

Apresentando-se diante do SENHOR, penso que ele pode dizer: "Combati o bom combate, terminei a corrida, guardei a fé" (2Tm 4,7).

Que Jesus, "o justo juiz", lhe de "o prêmio da justiça".

A Arquidiocese de Maringá perde um de seus soldados da primeira hora; ganha o testemunho de alguém que a amou.



Dom Murilo S.R. Krieger, scj

Arcebispo de São Salvador da Bahia

Primaz do Brasil