Padre Marcos Roberto relata como foi o sepultamento do Padre Nunzio na Itália

30 de Outubro de 2013

"Padre Marcos Roberto relata como foi o sepultamento do Padre Nunzio na Itália"

imagem Padre Marcos Roberto relata como foi o sepultamento do Padre Nunzio na Itália

Participei do funeral do padre Nunzio Reghenzi nesta segunda-feira, 28 de junho. Estive em Brescia (Itália) como representante de nossa arquidiocese, e transmiti os sentimentos de condolências de tantos irmãos e irmãs que encontraram nele o caminho de encontro com Deus.

A pedido de nosso bispo dom Anuar Battisti levei comigo nossa gratidão e reconhecimento do bem que fez em Maringá, principalmente no serviço da promoção vocacional. Dom Anuar enviou uma carta solidarizando-se com toda a família e a diocese de Brescia, e oferecendo nossa oração pelo sufragio do padre Nunzio.

Desde que voltou à Itália (2007) morava com sua irmã mais velha Carla Reghenzi (89 anos) num bairro residencial da cidade. Colaborava na comunidade paroquial local denominada “Paróquia Santa Júlia” com os serviços das confissões e a Santa Missa.

Naquilo que podia colaborar fazia com grande zelo e estima pelo seu sacerdócio que há 61 anos lhe foi conferido. Este último período em Brescia fora marcado pela convivencia com a família e pela proximidade com sua diocese natal.

Nestes últimos três meses sua saúde debilitou-se um pouco mais. Sentia-se menos disposto fisicamente, mas nada que o impedia de exercer seus trabalhos cotidianos.

Ao meio de uma missa, algumas semanas antes de sua morte, teve um desmaio na Igreja. Fora levado ao hospital, diagnosticado pela equipe médica, mas nada de novo que os rotineiros problemas de saúde. Pe. Nunzio era diabético e com sérios problemas cardiacos. Por estes últimos dez dias novamente voltou ao hospital, e neste período de internamento reagia muito bem ao tratamento.

Na sexta-feira, dia 25 de outubro, sofreu um infarto que o levou a óbito. Dias antes de sua morte, no leito do hospital, ao lado de um outro paciente, que ora era descrente e revoltado pela doença, não cansava de repetir “que Jesus é bom”. Mesmo diante da enfermidade era capaz de anunciar a bondade de Deus.

Em Brescia tive a oportunidade de visitar o padre Luciano Bianchi que era o atual pároco do padre Nunzio, e também aquele que o acompanhava de forma mais próxima destes cuidados médicos. Foi ele que me relatou estas informações. Também visitei sua irmã Carla, e conheci outros familiares, como sobrinhos e uma cunhada, e de forma especial um sobrinho que também é padre na própria diocese de Brescia.

O funeral foi presidido pelo bispo diocesano dom Luciano Monari. A celebração foi simples, porém, digna de fé e amizade por aqueles que lá estavam presentes. O ambiente era de serenidade e agradecimento pelo dom de sua vida, vividos de tal maneira, a serviço da evangelização em sua diocese natal, mas também em Maringá como padre missionário fidei donum.

Tive direito de uso da palavra, e li a carta que dom Anuar enviou por ocasião do funeral. Pe. Nunzio foi enterrado no cemitério municipal numa capela reservada aos sacerdotes diocesanos.

Roma, Itália, 29 de outubro de 2013.

Pe. Marcos Roberto Almeida dos Santos