Cristãos reais e não virtuais


Data da Postagem: 16 de Maio de 2016

Nesta semana o papa Francisco refletiu nas missas diárias sobre a terceira pessoa da Santíssima Trindade, o Espírito Santo. A primeira expressão que usou foi: “O Espírito Santo nos torna cristãos reais e não virtuais”.

Não somos máquinas cuja existência é autônoma, independentemente se precisa ou não de outro mecanismo  para funcionar. Somos pessoas e morada da Trindade, pois onde existe amor existe Deus, porque ele é amor.

De nada serve  viver sem poder amar, e consequentemente sem conhecer o Deus-amor. Cremos que somos templos vivos do Espírito Santo, que faz caminhar, crer, existir e ser uma pessoa iluminada. Ninguém tem o monopólio do Espírito Santo.

Não somos órfãos. Nos ensinamentos sobre o Espírito Santo nesta semana o papa diz: “O Espírito Santo é aquele que move a Igreja. É aquele que trabalha na Igreja, em nossos corações. Ele faz de cada cristão uma pessoa diferente da outra, e de todos juntos faz a unidade. O Espírito Santo é aquele que leva adiante, escancara as portas e convida a testemunhar Jesus.”  

“O Espírito Santo é aquele que nos impulsiona a louvar a Deus, nos induz a rezar. Ele reza, em nós. O Espírito Santo é aquele que está em nós e nos ensina a olhar para o Pai e dizer-lhe: Pai. Ele nos liberta da condição de órfão para a qual o espírito do mundo quer nos conduzir.”

O único protagonista de nossas comunidades e de todos nós é o Espírito Santo, que nos leva para a liberdade de filhos e filhas de Deus, nos guiando no seguimento de Jesus e não somente ficar presos às normas e leis, criando uma moral de casos, podendo fazer isso e não aquilo, até aqui sim, até lá não!

Somos libertados de uma moral casuística para uma moral de princípios e valores que brotam do evangelho. A vida de todos os cristãos não é uma ética apenas, e sim um encontro pessoal com Jesus, e é o Espírito Santo que leva a esse encontro.

 “Mas nós, em nossas vidas, temos em nossos corações o Espírito Santo como um ‘prisioneiro de luxo’: não deixamos que ele nos impulsione, não deixamos que nos movimente. Ele faz tudo, sabe tudo, sabe nos lembrar o que Jesus disse, sabe nos explicar as coisas de Jesus. Somente uma coisa o Espírito Santo não sabe fazer: ‘cristãos de salão’. Ele não sabe fazer ‘cristãos virtuais’. Ele faz cristãos reais, Ele assume a vida real como ela é, com a profecia de ler os sinais dos tempos e assim nos levar avante”. O Espirito Santo não pode ser um prisioneiro de luxo. Fomos feitos para a liberdade de Filhos e filhas de Deus, guiados pelo Espírito Santo.

O Espírito Santo, que habita em mim e em você, pede para sair, ir ao encontro, derrubar barreiras nos relacionamentos, criar pontes e não muros. É necessário perder o medo, amar-se com a armadura da coragem do Espírito Santo e avançar, dar testemunho de Jesus. Assim teremos também mais paciência nas provações, mais tempo para ouvir a voz do Espírito Santo deixando de lado outras vozes que não nos levam a lugar nenhum. É preciso sair da nossa rotina sem gosto, e abrir as portas do nosso coração à voz do Espírito Santo que clama em nós. Hoje de maneira especial vamos fazer a experiência de ouvir, mais do falar do Espírito Santo. Divino Espírito Santo, iluminai-nos!


Dom Anuar Battisti é Arcebispo de Maringá-PR